quinta-feira, 8 de fevereiro de 2018

PRESENÇA DA POLÍCIA MILITAR NA ENTÃO PU DE MACAU (de 1962 a 1975) – 2º DE 10 EPISÓDIOS – PPM 38


PELOTÃO DE POLÍCIA MILITAR 38

 






MOBILIZAÇÃO

Cerca de um ano antes da data do embarque já estavam indigitados para viajarem até Macau, mas por falta de transporte só foi possível o embarque em 17 de julho de 1962 (terça).

O período da mobilização efetiva decorreu entre aquela data e 23 de outubro de 1964 (sexta), num total de 830 dias.

Segundo o Decreto-Lei 42.937/60, de 22 de abril, o tempo normal de serviço militar obrigatório apontava para dois anos (730 dias).

A ida para Macau, com saída de Lisboa a 17 de julho de 1962 (terça), no NTT NIASSA, que escalou os portos de Luanda, Madagáscar, Darwin, Díli, demorou 59 dias.

A chegada ao destino verificou-se pelas 15H00 do dia 13 de setembro de 1962 (quinta).

No regresso a Lisboa, a viagem foi iniciada às 14H00 de 22 de setembro de 1964 (terça), para Hong Kong, donde saiu o NTT ÍNDIA, às 17H30, que passou pelo Canal de Suez, demorando, por isso, 32 dias. Atracou em Lisboa no dia 23 de outubro de 1964 (sexta).

O PPM 38 permaneceu, portanto, em Macau 739 dias.

 

TOTAL DE EFECTIVOS:

41 militares

 

COMPOSIÇÃO (NOMES E PATENTES):



OFICIAL E COMANDANTE (1)

Alferes Miliciano de Cavalaria, Américo Assunção Solipa, 103/C

 

SARGENTOS (2)

Furriel de Cavalaria, Domingos Paz Carvalho, 162/EP

Furriel Miliciano de Cavalaria, António Manuel Garducho Paixão, 204/EC

 

PRAÇAS (38)

PRIMEIROS CABOS (7)

António Dias Mendes, 36/61

Fernando Raposo Canha, 933/61

Florival Rijo Leitão, 833/61

Jerónimo Vitorino Ferreira Plácido, 829/61

José Carmo Martins, 520/61

Júlio Gomes Duarte, 1005/61

Manuel Moreira Ribeiro, 3761

 

SOLDADOS (31)

Albano Almeida Matos, 917/61

Alexandre Afonso Carvalho, 1205/61

Amável António Pais Borralho, 1016/61

Aníbal Madeira Varandas, 447/61

António Augusto, 1190/61

António Joaquim Gil, 1128/61

António Luís Dias, 1147/61

António Ribeiro Moreira, 685/61

António Silva Santos, 1017/61

Armando Nunes Marques Flora, 3789

Augusto Rosa Pinto Correia, 1102/61

Bernardino Renato Ferreira Lima, 1007/61

Bruno Esquibate Rino, 3778

(faleceu em 10.03.1963, devido a doença súbita. O seu nome está

perpetuado no monumento aos mortos do Regimento de Lanceiros 2)

Carlos Alberto Castanheira Lourenço Sousa, 1022/61

Carlos José da Costa, 940/61

David da Silva Costa, 682/61

Horácio Correia Pais Melro, 1030/62

João António Pedro Oliveira, 3777

Joaquim Alves Borges, 3770

Joaquim António Pereira Gonçalves, 648/61

José António Pedro Oliveira, 1009/61

José Carlos Valente Gonçalves, 1012/61

José Céu Conceição Silva, 640/61

José Manuel Dias Bravo, 690/61

José Moreira Silveira, 1039/71

José Ribeiro Lopes, 936/61

Manuel Almeida Costa Lima, 921/61

Manuel Mendes Nunes Alberto, 1008/61

Maximino Melo Cruz, 630/61

Paulino Jesus Tavares Girante, 1020/61

Salvador Manuel Costa Ferreira, 646/61

 

ALGUMAS NOTAS:

O PPM 38 foi a primeira unidade mobilizada para o CTI de Macau.

Desde Lisboa que o PPM 38 adotou, como sua mascote, o “Átila”, um cão de raça Pastor-alemão.

À chegada a Macau o PPM 38 cativou desde logo a atenção da comunidade local pois marchou com garbo, pujança e determinação, cerca de 7 quilómetros, desde o cais até ao Quartel General, onde pernoitou.

Outros aquartelamentos utilizados: Fortaleza da Barra, Fortaleza do Monte e Flora.

Destaque-se uma determinação direcionada aos militares do PPM 38 a quem, desde o início da sua presença, era exigido ter o cabelo bem tratado, o uniforme sempre limpo e aprumado e muito rigor no cumprimento das tarefas que lhes eram atribuídas oficialmente, especialmente a fiscalização da circulação automóvel, incluindo a própria viatura do Comandante Militar!

A aceitação do PPM 38 pela população macaense e chinesa foi plena e pacífica, existindo sempre o respeito, a consideração e o apreço mútuo, razão porque nunca houve qualquer atrito ou outra qualquer situação embaraçosa.

Os elementos do PPM 38 foram sempre muito ativos e aplicados na preparação física para o desempenho da missão, como na  prática de atividade desportiva (futebol, ginástica, tiro a chumbo e outras modalidades), e, bem assim, na área social e recreativa: festas de beneficência, de Natal e sessões recreativas.

A aprendizagem de línguas estrangeiras era sempre da responsabilidade e suportada pelos interessados.

Todos os Elementos do PPM 38 foram distinguidos com a Medalha Comemorativa da Expedição a Macau, de harmonia com o despacho ministerial de 2 de abril de 1963.

O PPM 38 já se reuniu, em convívio, depois de ter regressado de Macau, incluindo no aquartelamento do Regimento Lanceiros 2.

Importante: Os Veteranos que tenham cumprido o serviço militar em Angola, Cabo Verde, Guiné, Macau, Moçambique, São Tomé e Príncipe e Timor e se tiverem direito à medalha comemorativa das Campanhas no Ultramar e que ainda não a possuam, poderão requerê-la gratuitamente no Arquivo Geral do Exército, situado no Largo de Chelas (Antigo Convento), em Lisboa. Telefone: 218 391 600. Telefaxe: 218 391 611. Correio eletrónico: arqgex@mail.exercito.pt



















































Sem comentários: