segunda-feira, 1 de julho de 2024

RUI FERNANDO VENCEU MAIS UM OBSTÁCULO!

 

Um dia após ter comemorado mais um aniversário, o Mestre Rui Fernando Pires Henrique dos Santos, prestou provas para o Doutoramento em Relações Internacionais na sala 233 do Colégio Almada Negreiros (antigo quartel de Caçadores 5, em Campolide, Lisboa), perante o júri constituído pela presidente Professora Doutora Teresa Ferreira Rodrigues, da Universidade Nova; e pelos arguentes Professor Catedrático Jubilado Luís Filipe Lobo-Fernandes, da Universidade do Minho; Professora Doutora Raquel de Sousa Freire, da Universidade de Coimbra; Professor Doutor José Gomes André, da Universidade de Lisboa; o vogal do júri, Professor Doutor António Horta Fernandes, da Universidade Nova; e pela orientadora, Professora Doutora Ana Santos Pinto, da Universidade Nova.

A defesa da tese “Narrativa estratégica, medo existencial e hegemonia: a tríade comum dos E.U.A. para responder a ameaças distintas (1945-2003)? “ foi muito bem argumentada, tendo o candidato demonstrado sapiência, experiência , assim como muito bem preparado para responder às questões que lhe foram presentes.

O júri analisou a extensa, eloquente e ordenada explicação do tema e atribuiu, por unanimidade, a classificação de “Muito Bom”. 

Rui Fernando, está, pois, de parabéns pelo excelente trabalho apresentado, totalmente reconhecido pelo júri como exemplar, nos tempos que correm, pois, a sua conceção, os dados recolhidos e publicados, a sua explanação e as conclusões que adiantou, são um marco difícil de igualar. 

Os seus pais, a Maria Júlia e eu, também estamos felizes por o Rui ter conseguido merecidamente o que pretendia, depois de muitos meses ter trabalhado imenso: o título em questão!

Como se pode constatar o júri, em uníssono, aplaudiu o novo Doutor em Relações Internacionais.

quinta-feira, 25 de abril de 2024

50 ANOS DE INGRATIDÃO!


Pois é, assim não valeu a pena…

Todos os militares (e são milhares) que, no período da Guerra Colonial, foram mobilizados obrigatoriamente para as antigas províncias ultramarinas de Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Macau e Timor até agora não tiveram o reconhecimento da Nação, pelo seu amor à Pátria, no desempenho da missão a que lhe foi imposta lá longe, durante dois anos (pelo menos), fora do seio familiar, afastados dos amigos e do emprego, sem que, até hoje, Portugal tenha reconhecido o esforço que fizeram, para, desde então, não serem considerados portugueses de segunda escolha, ou melhor, nem sequer são mencionados em qualquer acto ou acontecimento público.

É gritante, como ninguém, políticos, chefes de estado e de governo, deputados, partidos, passados que foram cinquenta anos, não sentem esta madrasta e cruel situação, que mais parece um severo castigo aqueles que também deram o seu melhor, alguns até a vida, por terem de ir, sem terem pedido, para aquelas antigas colónias, defender Portugal.

Será pedir muito, que Portugal reconheça tais militares que estiveram ao serviço da Pátria e que mais nada querem do que o simples reconhecimento da entrega e dedicação que tiveram em nome do seu país?

Continuamos a aguardar… até que a morte nos leve…

domingo, 14 de abril de 2024

EXPOSIÇÃO - O MOVIMENTO DAS FORÇAS ARMADAS 25 DE ABRIL - ESTAMOS A CHEGAR AOS 50 ANOS!...

 

 Recomendo vivamente a visita a esta exposição, pelo simbolismo que hoje representa, passadas que foram as cinco dezenas de anos após tão significativo movimento!
 
 
Já agradeci ao responsável desta iniciativa (Comandante Pedro Lauret) o facto de ter sido aproveitado o trabalho que realizei sobre a invasão do Estado da Índia, atrocidade cometida pela União Indiana, em dezembro de 1961.
 
 
Contudo, entendo que deveria ter sido aproveitada a oportunidade de explicar ao grande público que os seis meses de inatividade com que foram punidos alguns militares do Exército e da Marinha, foram cumpridos com 180 DIAS DE PRISÃO no forte de Elvas, e não, como se pode supor, em casa de cada qual...

quinta-feira, 21 de março de 2024

ANTÓNIO DA SILVA QUADROS, UM NOBRE AMIGO QUE FALECEU.

 

Falar deste homem é fácil, pois era uma personalidade de carácter vincado, inteligente, honesto, determinado, rigoroso, solidário, resistente, mas, acima de tudo, amigo para sempre.

Sempre tivemos um relacionamento de excelência, cortês e respeitoso.

Foi meu aluno num dos cursos de candidatos a Árbitro de futebol e primou e pugnou pelo setor como ninguém.

É muito sentida a sua partida, não só, para os familiares, como para mim, que o estimava sobremaneira.

Já expressei pessoalmente aos seus familiares, os mais profundos e sentidos pêsames.

O funeral será amanhã, sexta-feira, da Igreja de São João Baptista (Lumiar), às 11H30 para o Cemitério do Lumiar.

Entretanto, transcrevo a seguir o resumo de uma entrevista que dele obtive em setembro de 2013:

Na festa de 103º aniversário da Associação de Futebol de Lisboa também o meu bom e ilustre amigo António da Silva Quadros (na imagem), o grande timoneiro do desporto na zona da Musgueira (atual Alta de Lisboa), hoje aniversariante, será distinguido pela sua brilhante, extensa e valiosa carreira cujos passos transcrevo de imediato:

Nasceu na Freguesia do Lumiar, Lisboa, no dia 21 de Setembro de 1948 (65 anos).

Filho de José de Matos Quadros e de Otília Rodrigues Silva.

Estado civil: casado.

Profissão: Assentador de revestimentos, na situação de reformado.

Possui o Bilhete de identidade 4.803.069, de 17 de Dezembro de 2003.

Habilitações escolares: 2º grau de instrução primária.

Descendentes: 8 filhos (6 rapazes e 2 raparigas), 21 netos e 2 bisnetos!

Há 3 anos que, devido a doença, padece de cegueira total e é amputado dum membro inferior.

Breve introdução: Aos 13 anos de idade já jogava futebol num clube popular do Bairro, os Leões das Mouras. Aos 16 fez renascer o Recreativo Águias da Musgueira (fundado em 01.05.1963) e o representava nos torneios populares. Foi um dos fundadores do Grupo Recreativo e Desportivo do Bairro da Cruz Vermelha. Em 1971 o Recreativo Águias da Musgueira é inscrito na Associação de Futebol de Lisboa. António Quadros criou no Recreativo Águias da Musgueira secções de futebol sénior, júnior e juvenil, boxe, atletismo, luta grego romana e ginástica, cujos atletas obtiveram títulos e troféus nas competições em que participaram colectiva ou individualmente quer a nível distrital ou nacional. No dia 2 de Novembro de 1975, foi inaugurado o campo dos Sacrifícios, pertença do Recreativo Águias da Musgueira, obra imensa levada a cabo pela abnegação de uns tantos carolas liderados por António Quadros que a todos incutia espírito de conquista, trabalho e dignidade. Em 1986 concebeu o modelo de jogos desportivos da Freguesia do Lumiar que serviram de modelo para os Jogos da Cidade de Lisboa! Registe-se que o Águias da Musgueira militou na 3ª divisão nacional do futebol federativo.

António Quadros nunca virou a cara às dificuldades! A sua tenacidade, o seu dinamismo a sua força de vontade em servir é um exemplo para todos nós! Merece a nossa amizade, apreço, respeito e consideração.

FUTEBOL

JOGADOR DE FUTEBOL (7 ÉPOCAS)

REGISTADO NA A.F.L. E F.P.F. COMO AMADOR – PRATICANTE Nº 56.963

1971/1972 a 1976/77 – Representou o Recreativo Águias da Musgueira,

1977/1978 – Representou o Grupo Recreativo e Desportivo do Bairro da Cruz Vermelha.

DIRIGENTE (42 ÉPOCAS)

1972/1973 – Presidente da Mesa da Assembleia-geral do Recreativo Águias da Musgueira.

1973/1974 a 1981/1982 – Presidente da Direcção do Recreativo Águias da Musgueira.

1982/1983 a 1984/1985 – Presidente da Direcção do Grupo Recreativo e Desportivo do Bairro da Cruz Vermelha.

1985/1986 a 1990/1991 – Presidente da Direcção do Recreativo Águias da Musgueira.

1991/1992 a 1993/1994 – Presidente da Direcção do Clube Desportivo da Charneca.

1993/1994 – Presidente da Mesa da Assembleia-geral do Recreativo Águias da Musgueira.

1994/1995 e 1995/1996 – Presidente da Direcção do Recreativo Águias da Musgueira.

1996/1997 – Presidente da Mesa da Assembleia-geral do Recreativo Águias da Musgueira.

1998/1999 a 2002/2003 – Presidente da Direcção do Clube Desportivo da Charneca.

2003/2004 e 2004/2005 – Presidente da Direcção do Recreativo Águias da Musgueira.

2005/2006 – Presidente da Comissão Administrativa do Recreativo Águias da Musgueira.

2005/2006 a 2012/2013 – Presidente da Direcção do Recreativo Águias da Musgueira.

2013/2014 – Presidente da Mesa da Assembleia-geral do Recreativo Águias da Musgueira.

AUXILIAR TÉCNICO (1 ÉPOCA)

1979/1980 – Sporting Clube da Torre.

BOXE

TREINADOR (1 ÉPOCA)

1982/1983 - Grupo Recreativo e Desportivo do Bairro da Cruz Vermelha.

DIRIGENTE (1 ÉPOCA)

1983/1984 – Exerceu o cargo de Vice-Presidente da Direcção da Associação de Boxe de Lisboa.

OUTRAS ACTIVIDADES

DELEGADO À FEDERAÇÃO DAS COLECTIVIDADES DE CULTURA E RECREIO (4 ANOS)

01.01.1976 a 31.12.1979 – Em representação do Recreativo Águias da Musgueira.

MEMBRO DO EXECUTIVO DA JUNTA DE FREGUESIA DO LUMIAR (4 ANOS)

1986 a 1989 – Vogal do Desporto.

ÁRBITRO DE FUTEBOL (8 ÉPOCAS)

Frequentou com aproveitamento o curso “Mário Ribeiro”, cujo exame final verificou-se em 16 de Dezembro de 1984, conforme diploma emitido pela Federação Portuguesa de Futebol em 28 de Janeiro de 1985.

1984/1985 a 1991/1992 – Participou em 267 partidas (87 como Árbitro principal e 180 como Árbitro assistente).

ÁRBITRO DE FUTSAL (8 ÉPOCAS)

1985/1986 a 1992/93 – Deu a sua colaboração a dezenas de jogos distritais.

FILIOU-SE NAS SEGUINTES ENTIDADES DESPORTIVAS:

Recreativo Águias da Musgueira, sócio efectivo.

Grupo Recreativo e Desportivo do Bairro da Cruz Vermelha, sócio 6.

Sporting Clube da Torre, sócio 325.

Clube Desportivo da Charneca, sócio efectivo.

Associação Portuguesa de Árbitros de Futebol, sócio 1735.

Associação de Recreio e Cultura da População da Musgueira, sócio 515.

CADASTRO DISCIPLINAR

ENQUANTO JOGADOR

1971/72 – Punido com 2 jogos de suspensão por tentativa de agressão a adversário.

1973/74 – No dia 10.03.1974 foi punido com 6 jogos de suspensão por agressão a adversário. Pena agravada por ser capitão de equipa. Contudo, o castigo foi amnistiado em 3 de Maio de 1974, graças à Revolução dos Cravos.

COMO DIRIGENTE

Sofreu, na totalidade do seu longo percurso, 5 repreensões por escrito, 3 advertências, 4 meses de suspensão e procedeu ao pagamento de 458,9 euros de multas.

DISTINÇÕES RECEBIDAS

1980 - Sócio de Mérito do Recreativo Águias da Musgueira.

1983 - Sócio de Mérito do Grupo Recreativo e Desportivo do Bairro da Cruz Vermelha.

1988 – Sócio de Mérito da Associação de Futebol de Lisboa, atribuído na Assembleia-geral de 19 de Agosto de 1988, ao abrigo do artigo 6º dos Estatutos. Diploma emitido em 20 de Outubro de 1988.

1988 – Recebeu das mãos do Vereador Dr. Vítor Gonçalves a Caravela de Mérito Desportivo, atribuída pela Câmara Municipal de Lisboa.

2011 – Sócio de Mérito do Operário Futebol Clube de Lisboa, pelos 50 anos de actividade desportiva e dedicação ao recreativo Águias da Musgueira. Diploma emitido em 26 de Maio de 2011.

Nota 1: Nos anos em que exerceu a actividade de Árbitro de Futebol e de Futsal António Quadros suspendeu as funções de dirigente.

Nota 2: A Associação de Futebol de Lisboa propôs, junto da Secretaria de Estado do Desporto, comenda correspondente à dimensão do currículo de António Quadros.

Nota 3: Como não podia deixar de ser reitero, sempre, o orgulho que tenho nos meus pupilos Pedro Proença, Duarte Gomes, Pedro Garcia, Tiago Trigo e Hugo Miguel, assim como António Quadros, pelo que contribuíram com a sua dedicação, rigor e sentido de justiça princípios que adotaram e que colocaram ao serviço da arbitragem da Associação de Futebol de Lisboa. Bem hajam!