quarta-feira, 22 de agosto de 2007

GUEORGUI IVANOV IVANOV – O NÚMERO UM!...




Este jovem búlgaro, de 25 anos, é o primeiro cidadão europeu que, ao abrigo do que está regulamentado em Portugal, inscreveu-se e frequentou com aproveitamento o curso de candidatos a Árbitro promovido pelo Conselho de Arbitragem da Associação de Futebol de Lisboa, na época passada, cujo Patrono (já desaparecido) é sempre bem recordado: Joaquim Manuel Cabeça Gomes.

Ivanov, que chegou ao nosso país em 1999, para além de ser um comunicador nato, é educado, respeitador, sociável, inteligente, sério, solidário, organizado e, acima de tudo, está sempre motivado por aquilo que faz. Escreve, fala e lê fluentemente o português, espanhol, inglês e francês (e o búlgaro, claro está!). Não foram fáceis os seus primeiros tempos, pois para além de estudar também trabalhava, ora nas obras, ora a vender livros. Empregou-se numa grande empresa em Vilamoura, onde foi funcionário (eleito várias vezes o melhor do mês), e formador. Na Universidade que frequenta (Universidade Nova de Lisboa-Faculdade Ciências Sociais e Humanas), também dá a sua ajudinha na organização de livros e na criação da base de dados…

Graças à sua capacidade intelectual e o empenho em pretender prosperar na vida, depois de ter terminado o ensino secundário na Escola Laura Ayres (Quarteira-Algarve), com a média de 19 valores, entrou para UNL-FCSH, com a média de 19,3. No exame nacional de filosofia obteve 195 pontos. Foi-lhe atribuído o grau académico de MINOR em Filosofia geral.

Toca piano clássico, participou em várias Companhias Teatrais estudantis, adora música, literatura e o desporto. A arbitragem (seu pai foi Árbitro internacional de Voleibol) é um dos seus temas favoritos. Pretendeu inscrever-se num curso candidatos a Árbitro de futebol, isto em 2002, mas como a legislação não o permitia, face ao seu estatuto de estrangeiro, teve que aguardar até a Bulgária ser admitida na União Europeia, o que se verificou em 1 de Janeiro do presente ano.

Depois de ter estado na Holanda (em 2003/2004) na Haagse Hogeschool (Haia), ao abrigo do programa Sócrates-Erasmus da EU, na área da língua inglesa, terminou o semestre com a média de 9 valores (a escala holandesa vai de 0 a 10), foi licenciado em Ciências Políticas e Relações Internacionais na UNL-FCSH, com a média de 16,4 (Bom, com distinção). Hoje está a frequentar o curso de Direito, e a sua média é de 15 valores.

Profissionalmente é Técnico de Propriedade Industrial, num grande escritório de advogados em Lisboa e é o responsável pelos contactos com entidades situadas na Península Ibérica, na América Latina, na Europa de Leste e no Médio Oriente.

Em Novembro próximo espera vir a ser cidadão português, pois o seu processo de naturalização está a ser apreciado e em vias de conclusão.

Só me resta desejar ao Jorge (em português) que se sinta bem entre nós, que continue a valorizar-se e que seja um excelente Árbitro, pois gente com vontade, com dedicação e com um currículo desta dimensão é uma mais-valia para qualquer função, qualquer actividade, qualquer país. Seja bem-vindo!

FOTOS: Na equipa de Futsal do Núcleo de Árbitros de Futebol de Lisboa (é o terceiro da esquerda, em pé) e quando, no Jantar de Encerramento das Actividades do Conselho de Arbitragem da AFL (Maio 2007), recebia o diploma de Árbitro das mãos do sr. Artur Miranda, ex-dirigente do Freiria Sport Clube.

6 comentários:

Anónimo disse...

Os portugueses deviam merecer ser cidadãos e sabê-lo merecer como este nosso amigo, a quem aproveito para desejar as maiores felicidades e agradecer o facto de querer ser português.
A honra em ter gente séria, trabalhadora e decente é nossa, enquanto País.

Rui Santos

raquel disse...

Fico extremamente feliz por ver que o mérito do Gueorgui começa a ser reconhecido!
Espero que este meu amigo de faculdade tenha as oportunidades que merece. É um lutador e terá certamente, muito sucesso!
Estou ansiosa para ir a um jogo arbitrado por ele.
Beijinho especial Gueorgui!
Raquel Duque *

Paula disse...

Gueorgui,é muito prazeroso ver pessoas assim,como você,que dão luta e vencem.
Te desejo toda a sorte do mundo e muita felicidade na tua vida!

Só sinto falta das partidas de baralho,mas....agora és um homem muito acupado..haha.

Beijinhos grandes e vê se aparece por aqui.

Paula Santos (irmã do Marco Paulo,Montijo).

il _messaggero disse...

Pese esta opinião não seja nada imparcial - é antes de tudo um grande amigo meu - auguro um futuro brilhante para o Gueorgui.

A sua força de vontade é deveras interessante e o seu trajecto de vida um bom exemplo a seguir. Quem o conhece bem, sabe que muito mais haveria para contar o que torna ainda mais épico todo o seu esforço.

É determinado (por vezes a roçar a obstinação) em tudo o que faz, cumprindo com muito afinco e profissionalismo todos os seus deveres...

Como a Raquel disse e bem, é com muito orgulho que vejo o seu talento assim como o seu trabalho a ser publicamente reconhecido...

Concerteza terei muito prazer em ir ver jogos do mesmo - de preferência no maior escalão, esperando que a sua rectidão ajude a contribuir para um melhorar do estado da arbitragem em Portugal.

Parabéns ao autor do blog pelo post (o Gueorgui já merecia).

abraço
Aires Gouveia

P.S. Gueorgui, desculpa lá, mas não te garanto que não te apupe se marcares algo contra o meu Marítimo...como é da praxe...eheh...

Leandro disse...

Só posso dizer que é um previlégio estar na mesma sala de aula do Gui... (eu sei que este nome é só para as miúdas, desculpa lá:-)...
É uma das pessoas mais extraordinárias que conheci, não só pela sua capacidade intelectual, mas acima de tudo pela sua humildade!

Talib disse...

Grande GUEORGUI! Associando-me ao comentário anterior também quero referir que foi um grande prazer partilhar a mesma sala contigo (e acredito que o sentimento seja mútuo...). És um verdadeiro lutador, sabes o que queres, estabeleces metas e, mais uma vez, consegues alcança-las com reconhecido mérito. Agora apareces em blogues, mas a próxima que nos encontrarmos em Portugal já estarás nas primeiras páginas dos jornais. Um grande abraço deste teu amigo,
Ernesto