quinta-feira, 20 de novembro de 2008

A ARBITRAGEM NOS MUNDIAIS, 1998-FRANÇA (XVI)

O 16º mundial foi levado a cabo pela França, conforme decisão da FIFA, no Congresso de 1 de Julho de 1992, realizado em Zurique, pela maioria de votos atribuídos (12). Os restantes 7 foram para a candidatura de Marrocos. A Suiça também tinha pretensões mas não chegou à votação final. O número de inscrições nas eliminatórias foi de 172, superando o da competição anterior (147). Na fase final, que decorreu de 10 de Junho a 12 de Julho, foram utilizados os estádios das Cidades Bordéus, Lens, Lyon, Marselha, Montpellier, Nantes, Paris, Saint Denis, Saint Etienne e Toulose Estiveram presentes as seguintes 32 selecções (entre parêntesis os cartões amarelos que foram mostrados aos seus jogadores): -Mascote, Footix-
África do Sul (7), Alemanha (12), Arábia Saudita (4), Argentina (11), Áustria (5), Bélgica (4), Brasil (12), Bulgária (7), Camarões (6), Chile (13), Colômbia (5), Coreia do Sul (7), Croácia (19), Dinamarca (12), Escócia (4), Espanha (7), Estados Unidos (4), França (12), Holanda (10), Inglaterra (5), Irão (3), Itália (11), Jamaica (5), Japão (7), Jugoslávia (7), Marrocos (4), México (10), Nigéria (8), Noruega (7), Paraguai (8), Roménia (10) e Tunísia (7). -Estádio Saint Denis-
Portugal, uma vez mais, desde 1986, não esteve presente, face aos resultados menos conseguidos na fase de apuramento, que foram os seguintes: ARMÉNIA-Fora (31.08.1996), empate 0-0. Casa (20.08.1997), vitória por 3-1. UCRÂNIA-Fora (05.10.1996), derrota por 1-2. Casa (09.11.1996), vitória 1-0. ALBÂNIA-Fora (09.10.1996), vitória 3-0. Casa (07.06.1997), vitória 2-0. ALEMANHA-Casa (14.11.1996), empate 0-0. Fora (06.09.1997), empate 1-1. IRLANDA DO NORTE-Fora (29.03.1997), empate 0-0. Casa (11.10.1997), vitória 1-0. Marcadores: Figo 3. João Vieira Pinto e Pedro Barbosa 2 cada. Domingos, Fernando Couto, Helder, Rui Costa e Sérgio Conceição, 1 cada. Treinador: Artur Jorge. -Réplica Tricolore-
NA FASE FINAL

Jogos realizados: 64 (todos os jogos tiveram ocorrências no âmbito disciplinar).
Prémio Fair-play: Inglaterra
Golos marcados no torneio: 171 (média: 2,672)
Melhor marcador: Davor Suker (n. 01.01.1968), da Croácia, com 6 golos.
Melhor jogador: Ronaldo (n. 22.09.1976), do Brasil.
Melhor Guarda-redes: Fabien Barthez (n. 28.06.1971), França.
Melhor futebol atractivo: França
Espectadores: 2.785.100 (média: 43.517).
Advertências: 254 (ver desdobramento nas selecções participantes).
Expulsões: 22 (África do Sul: Alfred Phiri. Alemanha: Christian Woerns. Arábia Saudita: Mohammed Al Khilaiwi. Argentina: Ariel Ortega. Bélgica: Gert Verheyen. Bulgária: Anatoli Nankov. Camarões: Lauren, Raymond Kalla e Rigobert Sung. Coreia do Sul: Há Seok Ju. Dinamarca: Miklos Molnar e Morten Wieghorst. Escócia: Craig Burley. França: Laurent Blanc, Marcel Desailly e Zinedine Zidane. Holanda: Artur Numan e Patrick Kluivert. Inglaterra: David Beckham. Jamaica: Darryl Powel. México: Pavel Pardo e Ramon Ramirez).
Jogo com mais incidências disciplinares: África do Sul-Dinamarca (1-1), com 7 advertências e 2 expulsões. Disputado em 18.06, grupo C, no Estádio Municipal de Toulose, perante 33.500 espectadores. Árbitro: John Toro Rendon, da Colômbia.
-O Árbitro da final, o marroquino Said Belqola-

NOTAS
Depois de vencer a Inglaterra no grupo G, os jogadores da Roménia comemoraram o feito tingindo seus cabelos de loiro.
O atacante argentino Gabriel Batistuta teve que cortar os longos cabelos, porque o técnico Daniel Passarella não aceitava atletas cabeludos na seleção argentina. Com os três golos marcados na goleada de 5-0 sobre a Jamaica, Batistuta tornou-se o primeiro jogador a marcar três golos numa mesma partida em duas fases finais distintas. Em 1994, ele assinou os três pontos na vitória argentina sobre os gregos. -Saudação-
Pelo facto da selecção da Jamaica ter obtido o passaporte para França foi decretado feriado nacional. Face à esta qualificação o seu treinador, o brasileiro René Simões, fez um apelo universal, via internet, na expectativa de vir a encontrar jogadores de origem jamaicana que pudessem vir a representar a sua selecção. -Jogo da final-
Nas eliminatórias jogaram entre si Peru e Colômbia. Na véspera deste encontro um grupo de bruxos entrou no Estádio Nacional de Lima para realizaram todo o tipo de estratagemas para prejudicar os colombianos. Não resultou, pois os seus adversários foram para França e eles ficaram. -Emoção e espectáculo-
Nas eliminatórias verificaram-se os mesmos resultados desnivelados, quer jogando em casa ou fora nos encontros Japão-Macau (10-0) e Síria-Ilhas Maldivas (12-0). O recorde de golos numa eliminatória pertence à Síria, que derrotou este seu mesmo adversário, por 17-0. -Os novos campeões do mundo-
Para fazer a cobertura do desafio Irão-Austrália, a agência noticiosa italiana Ansa enviou uma jornalista. Foi a primeira vez que uma mulher assistiu, naquele país muçulmano, a uma partida de futebol masculino. -Fabien Bhartez-
Ainda o guarda-redes australiano, Mark Bosnich, com tendências neo-nazis, em pleno jogo ofendia os jogadores contrários, apelidando-os de “porcos muçulmanos”. Teve que conformar-se a ver o mundial na TV, pois o Irão conseguiu classificar-se. -Roménia, 1 Colômbia, 0-
Este foi o último mundial com João Havelange como presidente da FIFA. -Inglaterra, 2 Argentina, 2 (4-3 GP)-
Ao marcar um golo na vitória da Croácia por 3-1 sobre a Jamaica, Robert Prosinecki tornou-se o primeiro jogador a marcar golos por dois países diferentes em mundiais. Em 1990, jogando pela Jugoslávia, Prosinecki fez um dos pontos da vitória por 4-1 sobre os Emirados Árabes Unidos. -Expulsão de Beckam-
Treinador campeão quatro anos antes, Carlos Alberto Parreira tornou-se o primeiro técnico a ser demitido durante o mundial. Deixou de liderar a sua equipa, a Arábia Saudita, depois desta perder os dois primeiros jogos na primeira fase. -Espanha, 2 Nigéria, 3-
O dinamarquês Ebbe Sand foi o autor do golo mais rápido de um substituto na história dos mundiais. Apenas 16 segundos após entrar em campo, marcou na vitória por 4-1 sobre a Nigéria. -O brasileiro Ronaldo-
O técnico Mário Jorge Lobo Zagalo sempre alardeou que o número 13 lhe dava sorte. Em 1998, não foi bem assim. A derrota na final foi a 13ª do Brasil em mundiais. E a selecção voltou para casa no dia 13 de Julho. -O croata Davor Suker-
No início de Junho, cerca de 60 convidados da CBF-Confederação Brasileira de Futebol, entre eles cinco desembargadores do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro, embarcaram para assistir à Copa do Mundo na França com todas as despesas custeadas pela entidade. -Mário Zagalo (Brasil)-
O médio alemão Lothar Matthaus bateu recorde de participações em Mundiais. Em sua quinta Copa, Matthaeus completou 25 jogos pela Alemanha. O alemão chegou a três finais (1982, 1986 e 1990) e ganhou um título. -Vítor Pereira-
A França foi a primeira campeã da história a terminar com o melhor ataque (15 golos) e a melhor defesa (2 golos). -Advertência-
A Itália foi eliminada nas grandes penalidades pela terceira vez seguida. Perdeu para a Argentina na semifinal em 1990, para o Brasil na final em 1994, e para a França nos quartos-de-final em 1998. -Recordação-
O jogador francês Laurent Blanc (defesa central) fez o primeiro golo de ouro da história dos mundiais, na sofrida vitória da França sobre o Paraguai nos oitavos-de-final do torneio.

Estreante, a Croácia conseguiu um surpreendente terceiro lugar. Com isso, igualou o feito de Portugal em 1966.

No jogo com o Chile, o camaronês Song tornou-se o primeiro jogador a receber cartão vermelho mais de uma vez em Copas do Mundo. A outra havia sido em 1994, contra o Brasil.

O norueguês Oyvind Ekeland e a brasileira Rosângela de Souza se casaram no relvado do estádio Velodrome de Marselha minutos antes da partida Brasil-Noruega.

- Três técnicos foram demitidos durante a Copa: Carlos Alberto Parreira, da Arábia Saudita, Henry Kasperczak, da Tunísia, e Cha Bum-Kum, da Coreia do Sul, substituídos, respectivamente, por Mohamad Al-Kharashi, Kim Pyong Seok e Ali Selmi.

Inimigos políticos históricos, EUA e Irão enfrentaram-se. Antes do jogo, trocaram flores. O clima do jogo foi amistoso, e os iranianos venceram por 2-1.

A Copa-1998 bateu recorde de parentes actuando juntos. Na Dinamarca havia os irmãos Michael e Brian Laudrup. Mbo e Emile M’Penza, também irmãos, jogaram pela Bélgica. Na Holanda, gêmeos: Frank e Ronald de Boer. A Noruega superou e trouxe dois irmão (Jostein e Tore Andre Flo ) e um primo (Havard Flo). Pela seleção selecção italiano, o técnico Cesare Maldini comandou o filho, Paolo.

ARBITRAGEM
Foram 67 os eleitos de 52 países para dirigirem as partidas deste mundial, sendo 34 os Árbitros e os Auxiliares 33. A África do Sul, surpreendentemente a única a duplicar, com 2 Assistentes!

África do Sul (1-2), Alemanha (1-1), Arábia Saudita (1-0), Argentina (1-1), Austrália (1-0), Áustria (1-0), Bélgica (0-1), Bielo-Russia (0-1), Brasil (1-1), Chile (1-1), Colômbia (1-1), Coreia do Sul (0-1), Costa Rica (0-1), Dinamarca (1-0), Egipto (1-0), Emirados (1-0), Escócia (1-0), Espanha (1-1), França (1-1), Holanda (1-0), Honduras (0-1), Hungria (1-0), Inglaterra (1-1), Irlanda (0-1), Itália (1-1), Jamaica (0-1), Japão (1-0), Kuwait (0-1), Malásia (0-1), Mali (0-1), Malta (0-1), Marrocos (1-0), Maurícias (1-0), México (1-0), Nigéria (1-0), Noruega (1-0), Omã (0-1), Paraguai (1-1), Peru (1-0), Polónia (1-1), Portugal (1-0), República Checa (0-1), Roménia (0-1), Russia (1-0), Sri Lanka (0-1), Suécia (0-1), Suiça (1-1), Tailândia (1-0), Trinidade e Tobago (1-1), Tunísia (0-1), USA (1-0) e Vanuatu (0-1).

Segue-se a lista de nomes ordenada alfabeticamente, que inclui a data de nascimento, o país e as actuações que tiveram como Árbitro (AR), 4º Árbitro (QA) e Assistentes (FL):

ACHMAT SALIE, 22.07.1955, ÁFRICA SUL, FL=5.
ALBERTO TEJADA NORIEGA, 11.11.1956, PERU, AR=1 e QA=2.
ALI BUJSAIM, 09.09.1959, EMIRADOS, AR=3 e QA=2.
AN-YAN LIM KEE CHONG, 15.05.1960, MAURÍCIAS, AR=1 e QA=3.
ARISTIDES CHRIS SOLDATOS, 26.12.1959, ÁFRICA SUL, FL=3.
ARNALDO PINTO, 31.03.1955, BRASIL, FL=4.
ARTURO BRÍZIO CARTER, 09.03.1956, MÉXICO, AR=3 e QA=2.
BERND HEYNEMANN, 22.01.1954, ALEMANHA, AR=2 e QA=1.
CELESTINO GALVAN, 06.04.1963, PARAGUAI, FL=3.
CLÁUDIO ROSSI, 19.05.1961, ARGENTINA, FL=4.
DRAMANE DANTE, 09.12.1961, MALI, FL=5.
EDDIE FOLEY, 20.03.1961, IRLANDA, FL=3.
EDWARD LENNIE, 05.10.1959, AUSTRÁLIA, AR=2 e QA=1.
EMANUEL ZAMMIT, 24.06.1956, MALTA, FL=4.
EPIFÂNIO CHAVEZ, 19.01.1958, PARAGUAI, AR=3 e QA=3.
ERICH SCHEIDER, 11.02.1954, ALEMANHA, FL=3.
ESSE BAHARMAST, 11.03.1954, USA, AR=2 e QA=2.
EVZEN AMLER, 15.05.1958, REPÚBLICA CHECA, FL=3.
FERNANDO TRESACO GRACIA, 04.07.1955, ESPANHA, FL=5.
GAMAL GHANDOUR, 12.06.1957, EGIPTO, AR=3 e QA=1.
GENNARO MAZZEI, 27.12.1957, ITÁLIA, FL=3.
GUNTER BENKO, 12.07.1955, ÁUSTRIA, AR=2 e QA=1.
HALIM ABDUL HAMID, 13.06.1962, MALÁSIA, FL=4.
HUGH DALLAS, 26.10.1957, ESCÓCIA, AR=2 e QA=3.
HUSSAIN GHADANFARI, 16.04.1957, KUWAIT, FL=5.
IAN MC LEOD, 05.03.1954, ÁFRICA SUL, AR=1 e QA=2.
JACEK POCIEGIEL, 06.06.1956, POLÓNIA, FL=3.
JACQUES POUDEVIGNE, 03.10.1956, FRANÇA, FL=3.
JAVIER CASTRILLI, 22.05.1957, ARGENTINA, AR=2 e QA=2.
JOHN TORO RENDON, 04.04.1958, COLÔMBIA, AR=1 e QA=1.
JORGE LUÍS ARANGO, 12.04.1958, COLÔMBIA, FL=4.
JORGE DIAZ GALVEZ, 19.01.1958, CHILE, FL=3.
JOSÉ MARIA GARCIA ARANDA, 03.03.1956, ESPANHA, AR=3 e QA=2.
KIM MILTON NIELSEN, 03.08.1960, DINAMARCA, AR=2 e QA=2.
LASZIO VAGNER, 24.12.1955, HUNGRIA, AR=2 e QA=3.
LAURENT RAUSIS, 29.05.1956, SUIÇA, FL=4.
LENCIE FRED, 21.03.1968, VANUATU, FL=5.
LUCIEN BOUCHARDEAU, 18.12.1961, NIGÉRIA, AR=1 e QA=1.
LUÍS TORRES ZUNIGA, 31.08.1958, COSTA RICA, FL=3.
MARC BATTA, 01.11.1953, FRANÇA, AR=2 e QA=1.
MARC VAN DEN BROECK, 30.06.1954, BÉLGICA, FL=5.
MÁRCIO REZENDE FREITAS, 22.12.1960, BRASIL, AR=2 e QA=1.
MÁRIO SANCHEZ YANTEN, 22.07.1956, CHILE, AR=2 e QA=1.
MÁRIO VAN DER ENDE, 28.03.1956, HOLANDA, AR=2 e QA=0.
MARK WARREN, 04.01.1960, INGLATERRA, FL=5.
MASAYOSHI OKADA, 24.05.1958, JAPÃO, AR=1 e QA=3.
MERERE GONZALES, 25.08.1960, TRINIDADE, FL=2.
MIKAEL NILSSON, 03.08.1958, SUÉCIA, FL=4.
MOHAMED AL MUSAWI, 01.01.1959, OMÃ, FL=5.
MOHAMED MANSRI, 30.01.1953, TUNÍSIA, FL=5.
NICOLAE GRIGORESCU, 24.08.1955, ROMÉNIA, FL=5.
NICOLAI LEVNIKOV, 15.05.1956, RUSSIA, AR=1 e AQ=2.
NIMAL WICKERAMATUNGE, 17.04.1956, SRI LANKA, FL=3.
OWEN POWELL, 03.09.1954, JAMAICA, FL=5.
PAUL DURKIN, 15.08.1955, INGLATERRA, AR=1 e QA=1.
PIERLUIGI COLLINA, 13.02.1960, ITÁLIA, AR=2 e QA=1.
PIROM ANPRASERT, 16.11.1953, TAILÂNDIA, AR=2 e QA=2.
RAHAMAN AL ZAID, 11.01.1959, ÁRABIA SAUDITA, AR=2 e QA=4.
RAMESH RAMDHAN, 25.07.1960, TRINIDADE, AR=1 e QA=2.
REYNALDO SALINAS, 17.03.1963, HONDURAS, FL=4.
RUNE PEDERSEN, 19.05.1963, NORUEGA, AR=2 e QA=3.
RYSZARD WOJCIK, 06.06.1956, POLÓNIA, AR=1 e QA=2.
SAID BELQOLA, 30.08.1956, MARROCOS, AR=3 e QA=2.
URS MEIER, 22.01.1959, SUIÇA, AR=2 e QA=3.
VÍTOR PEREIRA, 21.04.1957, PORTUGAL, AR=2 e QA=2.
YOUNG JEON, 26.02.1956, COREIA DO SUL, FL=2.
YURI DUPANOV, 07.06.1962, BIELO-RUSSIA, FL=4.

REPETIÇÕES
Também estiveram no mundial de 1994-Estados Unidos:
Alberto Tejada Noriega, Ali Bujsaim, Aa-Yan Lim Kee Chong, Arturo Brízido Cárter e Mário Van Der Ende.

Eis os Árbitros que dirigiram a final: O marroquino Said Belqola, com os Assistentes: Achmat Salie, da África do Sul e Mark Warren, de Inglaterra. Rahaman Alzaid, da Arábia Saudita, foi o quarto árbitro. O desafio verificou-se na noite do dia 12 de Julho, domingo, no Estádio de Saint-Denis onde a França se sagrou campeã do mundo ao derrotar o Brasil por 3-0, perante 80.000 espectadores. O Árbitro exibiu quatro cartões amarelos e um vermelho.

JOGOS EM QUE O NOSSO CONTERRÂNEO VÍTOR MANUEL DE MELO PEREIRA PARTICIPOU:

COMO ÁRBITRO:
Em 14.06 (domingo), às 21H00, no Estádio Félix Bollaert, em Lens, entre a Jamaica e Croácia (1-3), grupo H. Exibiu o cartão amarelo por 3 vezes. Assistência: 38.100. Auxiliares: Nicolae Grigorescu (Roménia) e Jacques Poudevigne (França). Quarto Árbitro: Bernd Heynemann (Alemanha).

No dia 29.06 (segunda), às 16H30, em Montpellier, (Estádio La Mosson), Alemanha-México (2-1), oitavos de final. Advertiu 6 jogadores. Assistência: 29.800. Auxiliares: Mohamed Mansri (Tunísia) e Achamat Salie (África do Sul). Quarto Árbitro: Masayoshi Okada (Japão).

COMO QUARTO ÁRBITRO:
Em 20.06 (sábado), às 21H00, no Velodrome de Marselha, Holanda-Coreia do Sul (5-0), grupo E. Assistência: 55.000. Árbitro: Ryszard Wojcik (Polónia). Assistentes: Jacek Pociegiel (Polónia) e Yuri Dupanov (Bielo-Russia). Duas advertências.

No dia 24.06 (quarta), às 16H00, no Gerland, em Lyon, França-Dinamarca (2-1), grupo C. Assistência: 39.100. Árbitro: Pierluigi Collina (Itália). Assistentes: Marc Van Den Broeck (Bélgica) e Emanuel Zammit (Malta). Quatro advertências.

VÍDEO DA FINAL:

http://www.youtube.com/watch?v=QZqp5m-NMaQ

2 comentários:

Johnny disse...

Execelente artigo amigo Alberto Helder!
Infelizmente detectei uma gralha: Laurent Blanc foi um jogador que costumava ocupar a posição de Defesa Central e não de Avançado. Eram dele os famosos beijos dados na careca do Guarda-Redes Fabian Barthez antes do inicio do jogo.

Um grande abraço do NCAFB.
Joao J

alberto helder disse...

Obrigado João J
Está rectificada a gralha.
Saudações
Alberto Helder